14
jun

Medicamentos: Como superar o desabastecimento no Brasil?

A falta de medicamentos vem se agravando e chegamos em junho de 2022 com os estoques zerados ou quase zerados de dipirona injetável, amoxicilina e diazepam e até mesmo de soro fisiológico. Faltam mais de cem medicamentos nas redes pública e privada.

Por Debora Raymundo Melecchi e Ronald Ferreira dos Santos*

O desabastecimento de medicamentos é uma situação que ocorre com frequência significativa, tornando-se um problema grave para os gestores e prestadores de serviços, mas essencialmente à cidadã e ao cidadão que ficam desassistidos e correndo o risco de agravar o seu problema de saúde, sem contar a necessidade dos serviços especializados para salvar sua vida. Os motivos são os mais diversos, desde ausência de insumos farmacêuticos, interrupção na produção, mudanças no mercado, situações que podem comprometer a produção em si, dentre outros.

Mas a realidade é que a falta de medicamentos vem se agravando e chegamos em junho de 2022 com os estoques zerados ou quase zerados de dipirona injetável, amoxicilina e diazepam e até mesmo de soro fisiológico, que se somam a mais de cem medicamentos em falta, tanto na rede pública como privada do país.

A guerra na Ucrânia – e os impactos na relação entre Rússia e países da União Europeia, a desaceleração da economia e o lockdown na China são apontados como os principais fatores externos para o desabastecimento do mercado nacional nesse momento e ainda que a dificuldade de importar produtos da China, principalmente insumos para a indústria, se reflete nos preços e deve contribuir para manter a inflação em alta.

Lembramos que China e Índia, são os principais fornecedores de insumos, materiais de embalagens, máquinas que produzem medicamentos e peças de reposição ao Brasil.

Opa, precisamos refletir sobre estas questões!

Em um país que se aproxima de 700 mil vítimas da Covid-19 e possui mais de 33,1 milhões de pessoas passando fome, responsabilizar países que protegem a sua população de ameaças à saúde, garantindo a alimentação de seu povo, parece não se encaixar a realidade. Vivemos tempos em que negar a realidade ganha forte retórica sustentada na pós-verdade, no autoritarismo e na negação da Política.

Inicialmente, que moral tem o Brasil, onde o governo federal e as forças que o sustentam são os responsáveis por essa tragédia nacional vivida por milhões de brasileiros, enquanto bilionários aumentam fortuna e não pagam impostos, para apontar a China, que toma todas as medidas sanitárias, com monitoramento estreito e próximo de sua população, garantindo proteção social e às vidas do seu povo, como o país responsável por seus problemas internos?

Como é admissível o Brasil seguir com dependência externa e cumprindo desserviço ao povo brasileiro?

Para enfrentarmos as mais diversas questões, como o desabastecimento de medicamentos em si, precisamos garantir a soberania nacional e um processo de desenvolvimento para o país, de forma articulada das políticas públicas e de ações concretas e simultâneas. Para isso é urgente a construção de uma agenda estratégica para o País.

No campo da saúde essa construção se traduz no grande guarda-chuva do Complexo Econômico e Industrial da Saúde (CEI), que neste último período contou com a excelente condução e relatório da Subcomissão do Complexo Econômico Industrial da Saúde da Câmara dos Deputados, com a participação de um amplo leque de forças políticas, econômicas e sociais, presidida pela deputada federal Jandira Feghali, (PCdoB-RJ) e tendo o deputado Alexandre Padilha (PT-SP) como relator.

O texto aprovado na Subcomissão é um relatório robusto indicando as diretrizes para garantir, tanto o acesso a medicamentos, vacinas e demais tecnologias à população, com valorização da força de trabalho, geração de emprego e renda, numa lógica concreta de um projeto de desenvolvimento ao país. Numa lógica de autodependência positiva, de retroalimentação em que o CEI cumpra o papel de projeto para o Brasil, tendo o SUS o seu grande impulsionador.

Cabe ao Estado nacional mediar os diferentes interesses com o objetivo de estabelecer uma agenda virtuosa na geração e incorporação de inovação e na reconfiguração dos serviços em saúde, de modo coerente com as mudanças em curso no perfil epidemiológico e demográfico da população. Apenas desse modo será possível superar a polarização atualmente observada entre a atenção à saúde e a dinâmica industrial e de inovação, mostrando que saúde e desenvolvimento econômico podem ser objetivos convergentes.

Portanto, o papel do Estado é estratégico para o Complexo Industrial da Saúde. Apenas o Estado tem capacidade de antecipar a necessidade da produção de determinados produtos ou serviços e formular uma política buscando concretizar aqueles objetivos, particularmente no campo da saúde. A capacidade industrial e de inovação em saúde está vinculada diretamente à redução das desigualdades e das deficiências no setor da saúde no país.

O Estado tem um papel essencial na busca de superação das limitações científicas e tecnológicas e na mobilização de recursos para o desenvolvimento tecnológico. Deste modo, o Complexo Econômico Industrial da Saúde pode se traduzir num projeto para o Brasil através das políticas públicas: de saúde, tendo o SUS o seu grande impulsionador para o desenvolvimento; de emprego e renda, que demanda grande quantidade de força de trabalho para a produção de bens e serviços; de inovação e tecnologia, com a pesquisa e o desenvolvimento trazendo mais valor agregado ao PIB brasileiro.

E somado a isso, para minimizar o desabastecimento de medicamentos algumas ações precisam ser implementadas, simultaneamente, tais como:

  • O Departamento de Assistência Farmacêutica do Ministério da Saúde – DAF/MS deve provocar uma reorganização junto a indústria para estabelecer estratégias para a regularização da entrega medicamentos, bem como o monitoramento do mercado global;
  • O DAF/MS deve voltar a ser um departamento que promova a articulação de políticas públicas na garantia do medicamento como direito humano;
  • Definição de uma agenda regulatória de preços pela Anvisa que significa ir além do debate da precificação;
  • Fortalecimento dos laboratórios oficiais;
  • Construção de ferramentas para as Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo (PDP’s), como visão estratégica a política industrial;
  • Retomada do CEIS – Complexo Econômico Industrial da Saúde;
  • Aprofundar sobre a reconversão industrial;
  • Dentre outras ações.

No contexto das transformações científicas e tecnológicas que marcam o mundo, o compromisso com o papel estratégico da pesquisa científica e tecnológica e com a defesa e promoção do Sistema Nacional de CT&I é o melhor caminho para não nos afastarmos do mundo real, articulando e mobilizando o poder público, a comunidade científica e tecnológica, o empresariado nacional e a sociedade civil, para gerar conhecimento, inovação e desenvolvimento.

A propriedade intelectual não pode ser uma barreira ao acesso universal, contra os preços extorsivos dos monopólios que impedem que as tecnologias estejam a serviço da vida e do desenvolvimento. É necessário internalizar as tecnologias essenciais e, ao mesmo tempo, assegurar a prioridade de sua função produtora de direitos.

Não esqueçamos do financiamento adequado e focado nas necessidades das pessoas e de valorizar o controle social do SUS, que significa entendermos que os sujeitos coletivos da sociedade cumprem papel político fundamental para a política pública de saúde.

Defendemos que o Brasil precisa seguir outro rumo no que diz respeito à garantia de acesso a medicamentos e demais tecnologias de saúde para a sua população. Ou avançamos ou retrocedemos à era colonial e escravista.

AUTORES

Compartilhe a notícia

Posts relacionados

Sem categoria

Edital Convocação Assembleia Geral Extraordinária

O Sindicato dos Farmacêuticos na Estado de Santa Catarina, CNPJ sob o nº 82.532.615/0001-23 com sede na Rua Saldanha Marinho, 116, sala 801, Ed. Liberal Center, Centro, Florianópolis, Santa Catarina, por seu presidente, convoca todos os farmacêuticos sócios ou não sócios do sindicato para Assembleia Geral Extraordinária que será realizada por meios remotos, (o sindicato […]

Assistência Farmacêutica

Dois livros do Projeto Integra serão lançadas em julho

Dois livros relacionados ao projeto integra serão lançados no dia 5 de julho de 2022, às 17h durante um café da tarde a ser realizado no Auditório Freitas Nobre no anexo IV da Câmara dos Deputados, em Brasília/DF. A atividade é organizada pela Frente Parlamentar em Defesa da Assistência Farmacêutica da Câmara, pelo Conselho Nacional […]

Eventos

Comissão organizadora discute temas e palestrantes do 10º Congresso da Fenafar

A comissão organizadora do 10º Congresso da Federação Nacional dos Farmacêuticos (Fenafar) reuniu-se virtualmente no dia 10 de junho, para definir e encaminhar os detalhes da programação do evento que acontece de 3 a 6 de agosto de 2022 em Salvador na Bahia. A programação prevê quatro grandes debates que colocam em evidencia a relação […]

Laboratórios

Homologada a CCT dos trabalhadores em laboratórios de análises clinicas

Já está disponível para consulta no site do Sindfar-SC (Clique para ter acesso) a Convenção Coletiva de Trabalho dos Farmacêuticos que atuam em Laboratórios de Análises Clinicas de Santa Catarina. O documento foi homologado pelo Ministério do Trabalho esta semana. A negociação entre os representantes do Sindfar-SC e dos laboratórios de análises clínicas, que vinha […]

Reforma trabalhista

Reforma trabalhista: cinco anos de prejuízos

Além de ter alterado ou revogado mais de 100 artigos da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), a reforma trabalhista ainda rende muitos prejuízos à classe trabalhadora, com aumento da precarização, e ao Brasil após cinco anos de aprovação. O mercado interno foi desintegrado e a renda pública foi colocada em risco, sobretudo o orçamento […]