19
jan

‘Responsabilidade fiscal não pode ser o custo do maltrato ao povo pobre’, diz presidente da CTB

O presidente Lula se reuniu na manhã desta quarta-feira (18), no Palácio do Planalto, em Brasília, com 500 sindicalistas, entre representantes da CTB e de outras nove centrais sindicais, e o ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho. No encontro, o mandatário nacional anunciou a criação de três grupos de trabalho.

Dois deles serão destinados a estudar e propor mudanças na lei trabalhista e um terceiro, de instalação imediata, se debruçará sobre as regras de reajuste e reinstalação da Política de Valorização do Salário Mínimo, interrompida pelo governo Bolsonaro em 2019.

Relator da proposta, em discurso no evento, o presidente da CTB, Adilson Araújo, destacou a importância da união das instituições para estabelecer o diálogo com o governo federal.

“Como dizia Ruy Barbosa, quem não luta pelos seus direitos, não é digno deles. A grande batalha que nós travamos buscou responder à altura uma máxima de que o Lula não poderia disputar as eleições. Se disputasse e ganhasse não poderia tomar posse e, se tomasse posse, não ia governar. A racionalidade política, o equilíbrio e a sagacidade, reunindo diversos atores sociais, propiciou que a gente travasse a primeira e, diria, mais importante batalha: a consecução da PEC da Transição. […] Então, é substancial que a gente traga para o centro desse debate político qual o elemento principal que se coloca diante daquilo que nós almejamos enquanto programa de reconstrução e transformação do Brasil”, pontuou o dirigente.

Adilson ainda citou a fala do ministro da Fazenda Fernando Haddad que, na segunda (16), em Davos, na Suíça, afirmou que “o governo do presidente Lula será pautado pela estabilidade fiscal e social”. “Ele enfatizou que o nosso governo democrático popular demandará todos os esforços para garantir previsibilidade. Esse debate nós vamos fazer com muita propriedade, porque, se teve alguém que pensou de forma objetiva e estabeleceu um diálogo com as centrais sindicais, que proclamou o acordo mais importante da nossa história, que diz respeito à Política de Valorização do Salário Mínimo, foi o presidente Lula. Então, do ponto de vista da previsibilidade, foi exatamente no ciclo mudancista do governo Lula que nós reconstruímos essa nova etapa, que garantiu um reajuste nominal de 340%. Que garantiu um INPC [Índice Nacional de Preços ao Consumidor] de 148%. Que garantiu um aumento real de 77%, o maior aumento real do salário mínimo das últimas cinco décadas”, recordou.

Para Araújo, não há motivo para acatar o debate imposto pelo mercado financeiro, de que não pode haver responsabilidade fiscal aliada à responsabilidade social. “A responsabilidade fiscal não pode ser o custo do maltrato ao povo pobre, ao povo indigente, ao povo que padece de insegurança alimentar, o povo que não tem um prato de comida para se alimentar. O custo fiscal precisa ser um esforço combinado, de um Brasil atrasado, mas que tem uma dívida de construir um pacto com o seu povo, que pressupõe a construção de uma política que reponha não só a necessidade de recompor a inflação, mas sobretudo permitir o ganho real com aumento da variação do PIB [Produto Interno Bruto]. O rebatimento disso é visível, porque ninguém de sã consciência vai fazer poupança com o salário mínimo. Salário mínimo é a poupança garantida que o governo tem”, salientou.

Por fim, o presidente da CTB defendeu que a reinstalação da Política de Valorização do Salário Mínimo vai impactar de forma positiva diretamente na vida de 60 milhões de pessoas. “Isso importa muito para quem movimenta e incrementa a economia, como foi o auxílio emergencial. O incremento do salário mínimo tem um fator estratégico decisivo para o nosso programa. é por isso que eu penso que nós temos que fazer o bom combate. O debate do salário mínimo não pode ser pautado pelo ‘deus mercado’, mas sim por quem depende do salário mínimo, quem não consegue mais fazer o supermercado. Temos que apostar em uma política que se aproxime mais dos anseios do nosso povo. É por isso que nós seguimos comprometidos em estabelecer o diálogo”, concluiu Adilson Araújo, ao sugerir um grande evento na Arena Corinthians, em Itaquera, em São Paulo, para o presidente anunciar que atendeu ao pedido das centrais, que clamam por um salário mínimo de R$ 1.343.

Atualmente, de acordo com a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o Brasil tem o segundo pior salário mínimo real entre 31 países, atrás de outros vizinhos da América Latina, como Colômbia e Chile.

Fonte: CTB

Compartilhe a notícia

Posts relacionados

Campanha Salarial

Participe da Assembleia Geral no dia 31 de Janeiro

Dando continuidade às atividades da Campanha Salarial 2023 dos Farmacêuticos, vamos realizar na próxima terça-feira, 31 de janeiro, às 19h a Assembleia Geral virtual da categoria. Participe da discussão e aprovação da pauta de reivindicações dos profissionais farmacêuticos, com vistas à celebração da Convenção Coletiva de Trabalho 2023/2024, que será realizada no dia 31 de […]

Notícias

Carta Aberta – Solidariedade e reconhecimento a luta do povo Yanomami

Dirigida: Presidência da República; Ministério Saúde; Secretaria Especial de Saúde Indígena – Sesai; Secretaria de Ciência e Tecnologia e Insumos Estratégicos – Sctie. Carta Aberta – Solidariedade e reconhecimento a luta do povo Yanomami. A Federação Nacional dos Farmacêuticos (Fenafar) vem manifestar a nossa solidariedade e reconhecimento a luta do povo Yanomami. As vidas ceifadas […]

Campanha Salarial

Assembleia Geral da Campanha Salarial prossegue no dia 31 de janeiro

A Assembleia Geral dos farmacêuticos de Santa Catarina que ocorria nesta terça-feira, 24 de janeiro, foi inesperadamente interrompida por problemas técnicos na sala de transmissão do Zoom.  Cerca de 20 pessoas participavam da reunião quando ocorreu a interrupção  Diante do ocorrido, a direção do Sindfar/SC decidiu retomar a assembleia que decide a Pauta de Reivindicações […]

Campanha Salarial

Participe da Assembleia Geral da Campanha Salarial 2023

Depois de uma importante LIVE, transmitida pelo Instagram no dia 17 de janeiro, agora vamos avançar no debate e concluir a nossa proposta de Convenção Coletiva de Trabalho que será apresentada às entidades patronais durante as negociações. Dando continuidade às atividades da Campanha Salarial dos Farmacêuticos para 2023, vamos realizar na próxima terça-feira, 24 de […]