08
ago

Valor do salário mínimo previsto na Constituição seria de R$ 6.388,55 em julho

Mensalmente o Dieese estima o valor que o salário mínimo deveria ter para cumprir as funções básicas previstas na Constituição, garantindo o sustento de uma família com quatro integrantes. No mês de julho este valor seria equivalente a R$ 6388,55, ou seja, mais de cinco vezes superior ao valor fixado pelo governo Bolsonaro, de R$ 1212,00. Quem ganha o mínimo tem de fazer muita ginástica para sobreviver, muitos vivem ao relento, morando na rua, e não conseguem fazer três refeições por dia.

Em julho de 2022, o tempo médio necessário para adquirir os produtos da cesta básica foi de 120 horas e 37 minutos, menor do que o registrado em junho, de 121 horas e 26 minutos. Em julho de 2021, a jornada necessária ficou em 113 horas e 19 minutos.

Quando se compara o custo da cesta e o salário mínimo líquido, ou seja, após o desconto de 7,5% referente à Previdência Social, verifica-se que o trabalhador remunerado pelo piso nacional comprometeu em média, em julho de 2022, 59,27% do rendimento para adquirir os produtos alimentícios básicos, um sensível retrocesso em relação ao mesmo mês do ano passado, quando o percentual ficou em 55,68%. O tempo médio de trabalho necessário para adquirir os produtos da cesta básica foi de 120 horas e 37 minutos.

Desde o golpe de Estado de 2016, que em sua essência foi um golpe do capital contra o trabalho, o salário mínimo deixou de ter aumento real e, ao invés disto, vem sendo arrochado, sobretudo no governo Bolsonaro, que pôs fim à política de valorização do salário mínimo criada no governo Lula e conduziu a economia para a chamada estagflação.

Com a inflação na casa dos dois dígitos o arrocho dos salários é sentido diariamente pela classe trabalhadora com a erosão do poder de compra da moeda brasileira, o real. O patronato, que sempre teve horror a aumentos de salários, aproveita a inflação para lucrar ainda mais explorando quem depende de salário.

Cesta básica

O levantamento do Dieese indica que, em julho, o valor do conjunto dos alimentos básicos diminuiu em 10 das 17 capitais onde o órgão realiza mensalmente a Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos (PNCBA).

No período, as cestas mais caras foram verificadas em São Paulo (R$ 760,45), Florianópolis (R$ 753,73), Porto Alegre (R$ 752,84). Nas cidades do Norte e Nordeste, onde a composição da cesta é diferente das demais capitais, os menores valores médios foram registrados em Aracaju (R$ 542,50), João Pessoa (R$ 572,63) e Salvador (R$ 586,54) .

A comparação do valor da cesta, entre julho de 2022 e julho de 2021, mostrou que todas as capitais tiveram alta de preço. As variações oscilaram entre 11,07%, em Aracaju, e 26,46%, em Recife.

Em julho de 2022, o salário mínimo necessário para a manutenção de uma família de quatro pessoas (dois adultos e duas crianças, que correspondem a um adulto) deveria equivaler a R$ 6.388,55, ou 5,27 vezes o mínimo de R$ 1.212,00.

Acesse a íntegra da Nota Técnica do Dieese

Compartilhe a notícia

Posts relacionados

Sem categoria

MEC suspende autorizações para novos cursos EaD em 17 Áreas 

O Ministério da Educação (MEC) anunciou a suspensão de processos para autorização de novos cursos a distância em 17 áreas distintas, incluindo diversas graduações na área da saúde, entre as quais, Farmácia.   A medida, divulgada por meio de portaria, visa aprimorar a regulamentação da oferta de cursos de graduação na modalidade EaD. Após uma consulta […]

Legislação Seu direito

Ministério da Saúde atualiza lista de doenças relacionadas ao trabalho após 24 anos

Uma atualização importante foi realizada na lista de doenças relacionadas ao trabalho pelo Ministério da Saúde, após longos 24 anos desde sua última revisão. Esse ajuste reflete um compromisso prioritário da gestão atual em atender às necessidades dos trabalhadores, colocando-os no centro das discussões sobre saúde pública, algo que ficou em segundo plano nos últimos […]

Saúde pública

Fenafar repudia atitude antiética de médico e defende a orientação farmacêutica

Em um flagrante desrespeito aos princípios éticos da saúde, um médico em São Paulo desencorajou pacientes a buscarem orientações com farmacêuticos, incentivando-os a não solicitar o apoio profissional essencial.   A Federação Nacional dos Farmacêuticos – Fenafar, expressa sua veemente discordância e total repúdio a postura que desconsidera o direito do paciente à orientação farmacêutica.  É inaceitável e […]

Assistência Farmacêutica

Relançada Frente em Defesa da Assistência Farmacêutica

Frente Parlamentar em Defesa da Assistência Farmacêutica é relançada com envolvimento expressivo de entidades e parlamentares. Na manhã desta segunda-feira, 28 de novembro, foi relançada a Frente Parlamentar Mista em Defesa da Assistência Farmacêutica, evento que contou com a participação ativa de diversas entidades, representantes sindicais de farmacêuticos de todo o Brasil e uma expressiva […]